TUDO QUE VOCÊ NUNCA QUIS SABER SOBRE OS SKINHEADS, POIS SEMPRE ACHOU QUE ERAM TODOS NAZISTAS!

Seja bem-vindo(a) à página dos SKINHEADS CEARÁ, um coletivo que agrupa principalmente skinheads, sejam eles anarquistas, comunistas, ou sem nenhuma ideologia definida, mas também outras culturas irmãs (como os mods, rude boys e punks). Possuímos em comum a paixão pelo oi!, ska e reggae; o prazer por uma cerveja gelada e um bom futebol; o sentimento classista e a revolta diante de toda e qualquer forma de discriminação e exploração. Leia mais...

19 de out de 2009

Historia do Reggae!



O reggae é um gênero musical que se desenvolveu na ilha caribenha da Jamaica, como uma combinação entre ritmos afro-antilhanos e o Rhythm & Blues estadunidense.
Surgiu em meados da década de 50. Nesta época as radioemissoras do sul dos Estados Unidos, especialmente as da cidade de Nova Orleans, eram escutadas na Jamaica e os ritmos musicais como o Rhythm & Blues(R&B), que provinham de lá, foram mesclando-se com os ritmos originais dos habitantes da ilha.
Os elementos distintivos desta música eram as ênfases do chamado off-beat, de marcada tendência caribenha (na Jamaica o off-beat começou acentuar-se cada vez mais a partir da influência dos ritmos afro-antilhanos tornando-se mais notável e foi desta forma que derivou-se o ska, o blue beat, e o rocksteady, antecessores imediatos do reggae.) .
No final dos anos 60 uma nova geração de músicos que intentavam novas formas de tocar rocksteady, com uma visão atenta aos cantos rastafaris, que enfatizavam uma repetição rítmica e assumidamente ligada a um movimento e a uma pressão social. Nasce assim o movimento reggae, que colocava em primeiro plano o baixo e a bateria deixando os outros instrumentos como acompanhamento. Foi também influenciado pela música soul com suas doces armonias e o rock com seus sons elétricos mais crus. Outro elemento importante no desenvolvimento do reggae foram as letras das músicas que refletiam situações sociais e uma crítica a sociedade capitalista. O reggae tem músicas que tratam sobre pobreza, política e rastafarismo (culto religioso jamaicano que homenageia como deus- “Jah”– ao falecido imperador da Etiópia, Haile Selassie I- antes de seu coroamento “Rastafari Makonnen”). O reggae influenciou outros estilos musicais como o punk rock e foi originador do rap, iniciado por jamaicanos residentes em Nova York. O rap regressou como influência ao moderno estilo de reggae, o raggamuffin. Esta música sobreviveu ao passo dos anos e a Jamaica segue sendo a principal origem de toda a música reggae produzida. Outros países como Inglaterra(devido ao grande número de imigrantes e descendentes jamaicanos), países africanos e latino-americanos produzem muito bons artistas de reggae.

Princípios do Reggae
Não há dúvida de qual foi a primeira gravação a usar o termo "reggae"- em qualquer das diferentes ortografias- foi "Do the Raggay" dos Maytals, publicado por Leslie Kong em seu selo Beverly em 1968. Contudo, se mantém discutível qual foi o primeiro a assinalar a mudança do rocksteady, no início de 1968. A muito versionada "Nanny Goat" (do Studio One) de Larry & Alvin e "No More Heartaches" (para Harry Johnson) dos Beltones, são as mais citadas freqüentemente, mas, algo fundamental estava tocando antes disso, "Pop A Top" de Lynford Anderson, produzida e dirigida por Anderson para seu próprio selo, Upset, justamente no início do ano(1968). "Pop A Top" foi inspirada num estilo de ritmo que era notavelmente mais rápido que o do rocksteady, um desenvolvimento levado mais longe em meados de 1968, quando Anderson colaborou com Lee Perry em "People Funny Boy". Este enorme êxito estava dentro da tradição de "guerra musical" (o branco era Joe Gibbs), mas o ritmo sobre o qual Scratch vocalizava sua criação era muito mais rápida que o do rocksteady, com um toque insistente de guitarra que parecia acelerar mais o passo. A integração do choro de um bebê na mixagem não só realçava a atmosfera, também antecipava o grande rol do engenheiro de gravação e de experimentos com diferentes mesclas.
Entretanto, é muito simples dizer que o reggae era um compasso rápido, nada mais, porque entre os ritmos mais rápidos associados com os princípios do reggae havia algumas gravações que eram mais lentas que o rocksteady. E mais, a música jamaicana tomou uma maior diversidade que nunca antes havia mostrado. O que unia tudo era uma nova qualidade rústica das melodias e a harmonização do conjunto, todavia, mais centrado no baixo elétrico. O reggae em todas suas variantes assinalava um rompimento da fluidez do rocksteady e as aspirações de produtores como Duke Reid e Clement Dodd para duplicar o refinamento do soul de Detroit e Chicago. A música era agora mais extrovertida e mais próxima em espírito a James Brown que aos Impressions.
É adequado que a palavra "reggae" permaneça como a classificação favorita para toda a música popular jamaicana, porque o reggae surgiu num período extraordinário de experimentações, em que todos os estilos posteriores foram prefigurados e todos os estilos prévios absorvidos. A música de 1968-74 se extendeu desde a rápida e abrupta instrumentação de bandas "session" como os Upsetters de Lee Perry, os Dynamites de Clancy Eccles e os Crystalites de Derrick Harriott; continuado pelos trabalhos de grupos vocálicos como os Heptones, Carlton 2k his Shoes, os Cables e os Beltones; até os sons de acordes menores e imaginários Rasta de "tracks" que antecipam a revolução "roots" dos meados de 1970. Foi no princípio da era do reggae que se tornou comum para os deejays de sound system falar em gravações e a origem das técnicas do Dub também se encontram aqui. Centralmente, no desenvolvimento destes diversos ramos foi o surgimento de produtores mais jovens, por exemplo, homens como Anderson, Lee Perry, Bunny Lee, Clancy Eccles e Winston Riley; todos inventaram novos ritmos para driblar o domínio de Dodd y Reid, geralmente usando músicos que não eram "sessioners" estabelecidos. Para tomar emprestado o imaginário presente de Bob Maley (que estava então gravando para outro antigo empregado de Coxsone, Lee "Scratch" Perry), havia um aumento no número de pequenos machados para cortar as grandes árvores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário