TUDO QUE VOCÊ NUNCA QUIS SABER SOBRE OS SKINHEADS, POIS SEMPRE ACHOU QUE ERAM TODOS NAZISTAS!

Seja bem-vindo(a) à página dos SKINHEADS CEARÁ, um coletivo que agrupa principalmente skinheads, sejam eles anarquistas, comunistas, ou sem nenhuma ideologia definida, mas também outras culturas irmãs (como os mods, rude boys e punks). Possuímos em comum a paixão pelo oi!, ska e reggae; o prazer por uma cerveja gelada e um bom futebol; o sentimento classista e a revolta diante de toda e qualquer forma de discriminação e exploração. Leia mais...

19 de out de 2009

Rastafarismo!

O rastafarismo combina crenças milenares de origem africana com influências do cristianismo fundamentalista norte-americano, em especial da Igreja Batista. Não se trata de uma religião: não é uma organização, não existe um "diretório". Os rastafaris não acreditam no poder organizado, que consideram um mal.

Rastafari é uma atitude, é uma forma de enfrentar a vida. É anarquia. As raízes do rastafarismo estão vinculadas com o líder sindicalista Marcus Garvey, um jamaicano que passou um tempo nos E.U.A, onde começou a predicar sua teoria religiosa.
Apoiado nas escrituras do testamento, especialmente Jeremías, Capitulo 8, Versículo 21 - Garvey afirmava que Deus é negro; que o Deus dos brancos era o diabo, que estes são inferiores aos negros e que triunfaram só por serem perversos ; Que a raça branca está se deteriorando e que ao final a raça negra herdará a Terra. Garvey também dizia que a Etiópia era a terra mãe do homem negro (ethiops quer dizer "Rostos escuros" em grego, primeira língua em que a Bíblia foi compilada).
A crença rasta só se disseminaria por toda a ilha a partir de 1930, quando Haile Selassie foi coroado imperador da Etiópia. Para os rastas, Selassie conduziria os homens negros a redenção, levando-lhes a terra prometida, a África. Logo em seguida foi fundada a Sociedade Para a Salvação da Etiópia, a primeira e a única organização puramente rasta. Em 1941 a polícia invadiu a sede da Sociedade na colina Pinnacle, em lungston para destruir as plantações de Marihuana e os líderes foram presos. Reconstruído dois anos depois, o Pinnacle foi definitivamente destruído em 1954.

Como as autoridades se comportaram deste modo, os jamaicanos a partir daí chamam a Jamaica "Babilônia" - a personificação da escravidão, colonialismo, miséria, exploração, imoralidade.
Segundo a crença, os rastas não devem deixar tocar nenhuma lâmina sobre seus rostos (tatuagens, etc.), não usar pente, não beber álcool, não comer carne de porco, não fumar tabaco, só o consumo de ganja (forma na qual se chama a cannabis na Jamaica) é estimulado baseando-se no Salmo 16.9 'Eleve-se com o cheiro pela suas narinas". Em 1960, Haile Selassie visitou a Jamaica e disse aos rastas que eles não deveriam emigrar a terra prometida sem antes liberar seu próprio país. A partir daí, o rastafarismo toma uma forma mais política. Em 1961, o Blackman's Party participa pela primeira vez de uma eleição e fracassa. Desta tentativa nasceu o "Rastafarian Movement Organization" que começou a organizar vários grupos ligados ao culto e a editar um jornal mensal "Rasta Voice Hoje". O rastafarismo é sinônimo de luta pela liberdade, na Jamaica e em todo o mundo.
Por certo, isto é um resumo do que é esta cultura, mas esperamos que sirva para todos aqueles que sentem-na como própria, para que a cada dia o respeitem mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário